Close

As métricas que todo e-commerce deve acompanhar

Saiba quais as métricas você deve acompanhar para impulsionar as vendas do seu e-commerce.


Existem diversas formas de mensurar o desempenho da sua loja virtual. Você pode analisar o andamento do seu negócio por meio de algumas variáveis que indicam se o empreendimento está no caminho certo, atingindo as metas estabelecidas na estratégia ou se precisa fazer ajustes para ter melhores resultados. Por isso, saiba quais as métricas todo o e-commerce deve acompanhar e como analisá-las

Para te ajudar a entender cada um delas, preparamos as 7 métricas fundamentais para que a sua loja online tenha ainda mais sucesso, confira:

1) Sessões

Para saber o que os usuários fazem quando acessam o site da sua loja, existe a métrica chamada sessões. Elas servem para avaliar o comportamento e interações de quem acessa o seu site. Por meio delas, você pode avaliar o tempo de permanência em determinada página e o período em que o visitante permaneceu inativo. Veja como as sessões funcionam:

  • A sessão é finalizada caso o usuário fique inativo por 30 minutos sem interagir com nenhuma página da sua loja;
  • Caso o cliente saía do seu site e retorne depois de 30 minutos, isso conta como duas sessões;
  • Agora, se ele saiu e voltou em menos de meia hora ou se ficar por mais de 30 minutos, a sessão continua a mesma.

Você pode encontrar essas informações nos relatórios do Google Analytics. As fontes para medir esse indicador podem ser pesquisas pagas (estímulo gerado por propaganda), orgânicas (busca espontânea), anúncios, redes sociais, e-mail, quando o usuário digita a URL no buscador ou a partir de referência de outro site. Fazer com que o visitante permaneça por mais tempo em sua página pode refletir positivamente em suas vendas.

2) Tráfego

Ainda no Google Analytics, você consegue acompanhar a forma como os seus usuários chegam até o seu site. A esta métrica chamamos de origem de tráfego. Assim é possível acompanhar tanto os dispositivos utilizados para acessar sua loja, quanto o caminho que os usuários fizeram para chegar até ela.

Quando pensamos em dispositivos, seu tráfego pode ser realizado via mobile (tablets, smartphones e outros equipamentos móveis) ou via desktop (computadores e notebooks). Saber a proporção de acessos de cada tipo de aparelho te ajuda a otimizar seu site e melhorar a experiência do consumidor em cada um destes “canais” de compra.

Já quando o assunto é o caminho feito pelo usuário, dividimos a origem de tráfego da seguinte forma:

  • Direto: quando o usuário digita a URL da sua loja (www.sualoja.com.br) na barra de endereços do navegador.
  • Orgânico: quando o comprador faz uma pesquisa em ferramentas como o Google e as palavras chave direcionam para sua loja. Para aumentar este tipo de acesso o trabalho de SEO é fundamental. Leia mais aqui.
  • Pago: quando os clientes chegam até a sua loja clicando em alguma campanha de mídia realizada por você, seja no Facebook Ads ou no Google Adwords.
  • Referência: quando o seu site é mencionado em posts de influenciadores ou veículos da imprensa e um usuário acessa a partir desta citação.
  • Social: quando o consumidor chega até o seu site a partir de um post realizado em redes sociais.
  • E-mail: quando a visita acontece através de um link disparado via e-mail marketing.

3) Taxa de rejeição

Mas e quando alguém acessa o site da sua loja e não interage com nenhuma página? Para esse comportamento á-se o nome de taxa de rejeição. Definitivamente, não é bom para o seu negócio, porque o que esperamos é que os clientes interajam e realizem compra.

A lista de motivos pelos quais isso pode acontecer contempla descrições incompletas, preço muito alto, foto de baixa qualidade e que não valoriza o produto, entre outros fatores que não incentivam as pessoas a pressionarem o botão “Comprar”.

Por meio da Google Analytics, você também pode visualizar essa métrica. Assim, você identifica qual página possui maior taxa de rejeição, investiga o motivo e toma atitudes para melhorar a sua estratégia, que pode ser preço, produto, qualidade do anúncio ou condições de pagamento e envio.

Taxa de rejeição = % de sessões de uma única página

4) Conversão

Conversão é quando uma visita em seu site se transforma em venda. Ou seja, a pessoa deixa de ser visitante e passa a ser cliente. Esse é um excelente indicador do sucesso das suas estratégias, pois significa que as pessoas estão encontrando e comprando o que você oferece. É interessante estipular metas de conversão que variam mês a mês. Durante datas comemorativas, por exemplo, elas podem ser mais altas do que as habituais. Calcule a sua conversão com a seguinte fórmula:

E para conseguir que o usuário compre na sua loja? Você pode recorrer a algumas ações, como: ter a princípio um layout amigável e como boa usabilidade, anúncios com fotos de qualidade, descrições informativas e vídeos de alta resolução, conteúdo relevante, estratégias competitivas de preço e produto, canais de comunicação eficazes, entre outras táticas que demonstram profissionalismo e organização da sua loja online.

No Brasil, em média a taxa de conversão das lojas virtuais gira em torno de 1,6%, mas ela pode varia segundo a categoria de produtos. Caso a sua taxa de conversão esteja baixa, é preciso rever em qual ponto você pode melhorar. Pode ser a forma como anuncia o produto, talvez? Se for isso, veja como ter anúncios de sucesso aqui.

5) Ticket Médio

O ticket médio é um termômetro básico para você saber o quanto cada cliente gasta quando realiza uma compra em sua loja virtual. Ele te proporciona uma média entre os gastos em compras com base no faturamento total e o no número de consumidores dentro de determinado período. Nesse caso, para fazer a conta, a fórmula é:

Caso você perceba que o seu ticket médio está abaixo da sua expectativa, é possível recorrer a estratégias capazes de reverter este quadro. Incentive o seu cliente por meio de frete grátis para compras a partir de determinado valor, ofereça descontos e promoções ou crie kits de produtos. Uma outra excelente ferramenta é a ferramenta de inteligência artificial que cria vitrines de recomendações de produtos aos clientes . Assim, você conquista os seus consumidores e verá o seu ticket médio por pedido aumentar.

6) Abandono de Carrinho

As pessoas passam pelas páginas do seu site e colocam itens no carrinho de compras, mas não finalizam finalizam o pedido? Algo pode estar falhando quando o consumidor chega ao fim da jornada de compra para fazer o checkout. Esta métrica tem o nome de abandono de carrinho. Para contabilizar essa métrica, você precisa dos seguintes dados:

Se essa taxa for muito alta no seu e-commerce, vale a pena repensar formas e condições de pagamento e valor de frete, por exemplo. Você pode, até mesmo, perguntar para os seus compradores se eles gostariam de ter mais escolhas na hora de pagar. Existem diversas formas de reverter o carrinho abandonado. Você pode fazer campanhas de remarketing ou usar ferramentas específicas para recuperação de carrinho abandonado, como a Enviou, que já está integrada a Mercado Shops.

7) ROI – Retorno sobre Investimento

A sigla em inglês que significa Return Over Investment ou em português, Retorno sobre Investimento. Esta métrica analisa os resultados dos investimentos em marketing digital.

Trata-se de uma maneira de calcular o quanto suas campanhas estão sendo efetivas. Veja como calcular o ROI:

Se quiser saber mais sobre como calcular o ROI confira aqui outro artigo com dicas preciosas para o seu negócio.

A ideia é sempre estar atento as principais métricas da sua loja virtual, pois é fundamental para acompanhar o desempenho do seu negócio, o volume de vendas e a satisfação dos seus clientes. Aproveite esses indicadores para guiar a estratégia de crescimento do seu negócio. E aí, como andam as métricas da sua loja?

Close