Endeavor é uma palavra com múltiplos significados: como substantivo, é equivalente a “empenho” ou  “esforço”; como verbo, refere-se a “tentar” ou “tratar”. Mas, no presente caso de hoje, refere-se, particularmente, a “empreender”. A Experiência Endeavor é um grande evento para empreendedores, organizado pela Endeavor Argentina, que ocorreu alguns dias atrás na Usina da Arte no Buenos Aires.

O objetivo desse encontro é, por sua vez, prático e inspirador. Apresenta-se um ecossistema de empresários e empreendedores que transmitem suas experiências por meio de conferências (“Endeavor talks”) e, nessa confluência, é gerada uma sinergia entre as partes, para potenciar mutuamente seus negócios.

Por outro lado, os especialistas com mais experiência no mundo digital fornecem oficinas que alimentam esse ecossistema, com conhecimentos acumulados através de longas trajetórias. Nesta experiência, Digital HouseGoogle e Mercado Shops se encarregaram destas oficinas.

Guido Gallo Martin, Head of Sales Mercado Shops para Argentina, encarregou-se da oficina “Como fazer do comércio eletrônico um canal de vendas estratégico?”. Foi a oportunidade para ficar sabendo das tendências mundiais do comércio eletrônico, de como elas impactam na Argentina e em termos práticos, das cinco realidades fundamentais em torno do comércio eletrônico. Hoje contamos aqui, em nosso blogue, o que aconteceu na oficina.

Do que vamos falar nos próximos anos?

Os avanços da tecnologia estão tornando realidade situações que faz pouco tempo atrás pareciam de ciência ficção. Por exemplo, a Realidade Aumentada (AR, segundo sua sigla em inglês), que o público massivamente experimentou no ano passado com o Pokemon GO está entrando no mundo comercial: podemos ver, por exemplo, como fica uma casa decorada antes de decorá-la ou como fica uma roupa, sem antes tê-la experimentando. A Internet das Coisas (IoT) está fazendo que os bens de consumo “sejam reabastecidos sozinhos”, e, além desses avanços, tem muitos outros que podem ser trazidos ao mundo do comércio eletrônico.

Os canais através dos quais o público se relaciona com o comércio eletrônico evolucionaram de single channel (o cliente acessa para comprar por via única) a multi-channel no qual pode entrar por vários canais que não estão conectados entre si dentro da empresa. Daí para cross-channel, no qual os canais estão parcialmente integrados e, por exemplo, o mesmo pedido pode ser iniciado on-line, mas pode ser retirado no local comercial, ou, finalmente, comprar on-line no local comercial, pois, dessa maneira, o cliente pode obter alguma vantagem adicional. Mas a estratégia que visa é o omni-channel, em que todos os canais estão absolutamente integrados e o cliente pode passar de um para outro em qualquer momento e de forma simultânea.

Atualmente, o cliente é cada vez mais protagonista e requer de experiências únicas. Ele se relaciona com o mundo digital através de diversas redes sociais, e seus desejos ou necessidades podem surgir a qualquer hora e querer resolvê-los nesse mesmo instante e desde o canal pelo qual está se comunicando, sem ter que visitar tantos sites. O desafio é compreender que o consumidor é único e irrepetível.

Passo a passo: cinco realidades do comércio eletrônico

Tudo isso que dissemos em abstrato parece remoto e difícil, mas existem realidades, hoje em dia, que nos permitem melhorar nosso canal e torná-lo estratégico. Trata-se de compreender em que estado e em qual situação está nosso negócio para saber quais funcionalidades podemos aplicar. As dicas desta oficina são a substância mais concreta para começar a visualizar como organizar nosso negócio.

É preciso ter uma estratégia específica para o canal

Os diversos canais têm suas características particulares. Devemos entender o canal e esclarecer quais são as vantagens e desvantagens de cada caso. Eu deveria optar pelo marketplace ou por um site web? Um marketplace é um ecossistema no qual não terei exclusividade, mas há muito público e é gerado mais impacto, pois a tecnologia já é fornecida e desenvolvida, e numa loja on-line que começa agora os desafios são outros, principalmente pelo fato de ter que gerar tráfico para seu site, através de diversas ferramentas de marketing digital. A chave é encontrar o ecossistema que nos sirva, mas compreendendo que ambos são complementares entre si.

Temos que entender qual é o tempo de retorno que estamos procurando, fazer bem as contas e não abrir o canal só por abrir. Se não compreendermos direito o que estamos procurando com o canal, ficaremos decepcionados. É fundamental se focar nele para conseguir ter sucesso.

Devemos investir no marketing on-line

Em 2005, no meio do deserto de Texas foi inaugurada Prada Marfa, um local Prada que nunca abre suas portas e, portanto, nunca vende nada. Tem todos os sapatos do pé direito no número 37 e foi um experimento social que teve como objetivo instalar a cultura das marcas de moda num deserto. Mas isso nos serve como exemplo e metáfora: podemos ter um local de venda com o produto mais cobiçado, mas no qual ninguém pode comprar nada, pois é difícil chegar e não tem mercadoria disponível para a venda.

O comércio eletrônico, um canal de vendas estratégico

Se não investirmos em marketing digital acontece uma coisa semelhante: ninguém vai nos encontrar. E se o público concorrer e tivermos apenas o número 37 de um só pé, não poderá comprar nada. A montagem da estratégia vai unindo conceitos: preciso saber quanto posso vender e apresentar minha estratégia de marketing a partir disso.

A chave é a informação

Poderíamos pensar: “Já investi em marketing e fiz uma estratégia, portanto, tudo dará certo.”. Mas, mesmo que tivermos várias estratégias, é preciso saber o que está acontecendo com isso. Se não pudermos calcular o impacto de nossas ações, provavelmente não adiante nada. A vantagem do marketing digital em relação à publicidade tradicional é que você pode ficar sabendo de tudo o que está fazendo seu público. Não se trata de vigiá-lo, mas sim da possibilidade de oferecer para ele melhores coisas.

A sugestão, neste caso, é ter uma conta do Google Analytics, que permite analisar tudo o que o público faz em nosso site. Quantas pessoas visitaram nosso site? Quanto o bouncing? Quantas pessoas ficam no site? Que páginas ela visita? Qual é a conversão real? Se não pudermos calcular todas essas coisas, tomaremos decisões sem saber, tendo a possibilidade de aproveitar bastante a informação disponível.

Processos de entrega claros geram novas compras

O comprador quer seu produto, se possível, antes de ter dado seu último clique, portanto, o processo de entrega deve ser completamente aceito e começar na mesma hora em que a operação foi concretizada. Convém proporcionar ao cliente diferentes opções, incluindo a retirada no local, que sempre funciona, além de políticas de devolução que incentivem os compradores.

A experiência do cliente é tudo

Se o cliente tiver uma má experiência, além de ficar chateado e não querer comprar mais, todo seu entorno também não vai querer comprar e inclusive aqueles que nem o conhecem. Por bem ou por mal, esse cliente fala e nos qualifica nas redes sociais; então, muita gente vê como trabalhamos. Um cliente chateado ou decepcionado custa caríssimo, pois aqui o “de boca em boca” vai longe. É sempre mais barato manter um cliente feliz que conseguir um novo cliente.

A integração do comércio eletrônico com Mercado Shops

Levando em conta todos os fatores que mencionamos, a plataforma do Mercado Shops nos permite abrir um novo canal de vendas e relacionar-nos com os clientes. Podemos ter uma loja on-line particular num espaço e endereço web próprios e desenvolver a identidade de nossa marca.

Temos completa liberdade na escolha e personalização do design, e podemos desenvolver estratégias de marketing, para convidar os clientes que estejam procurando na Internet um site onde comprar o que nós vendemos.

Como parte do Mercado Livre, podemos oferecer o Mercado Pago com pagamentos em parcela e segurança em todas as vendas. Também podemos habilitar Mercado Envios para realizar as vendas e fazer seu seguimento.

Então com a combinação do Mercado Livre e Mercado Shops nós temos um ecossistema com plataforma de pagamento, uma plataforma de envio, uma loja online com comércio eletrônico com carrinho, e gerenciamos, também, nosso canal de marketplace, tudo em um só lugar. Isso nos permite resolver o comércio eletrônico e permite que nos dediquemos a aperfeiçoar a estratégia seguinte, para crescer cada vez mais.